top of page
  • Foto do escritorpi bags

Futuros possíveis #10 Luisa Clasen

Uma das grandes vantagens de ter um ateliê aberto é estar abertas também a receber visitas, vizinhos, pessoas que sentem a vontade ou a curiosidade de saber o qué acontece dentro de esta casa toda rabiscada que é a Casa Um, dar as boas vindas ao acaso. Esto gera vínculos com pessoas fora dos nossos círculos, nossas bolhas, e é extremamente valioso porque nos faz ver as coisas desde outras visões, aprender, conversar, ouvir e sair da nossa zona de conforto. Lully, nossa convidada aqui em Futuros possíveis, é super ligada nas redes sociais mas a conhecemos fora dos algoritmos: por acaso somos vizinhas! A continuação, seu olhar sobre o presente e o futuro.





Por favor, apresente-se em poucas palavras.

Luisa Clasen, influenciadora há 9 anos. Formada em cinema pela UNESPAR e New York Film Academy, busco acessibilizar o ensino em cinema. Além do canal Lully de Verdade desde 2011, tenho também o podcast Laboratório de Cinema com formato interativo similar a um curso online totalmente gratuito. Tenho 29 anos, duas gatas e os boletos em dia!


-O que representa o momento atual para você?

Olhar para dentro, de mim mesma, da minha comunidade, dos meus planos.


-O que, do modelo antigo, pode ser resgatado para o futuro?

Que sejam os momentos bons: sentar num barzinho pra encontrar os amigos, viajar para conhecer lugares novos...


-O que deve morrer?

Temos que parar de achar que o que fazemos no planeta não tem consequências. Desmatamento, poluição, uso excessivo de plástico descartável, consumo de carne e derivados: tudo isso precisa fazer parte dos nossos pensamentos cotidianos. O que fazemos aqui impacta em outros bairros, outros países. Não é porque não vemos que não acontece.


-O que deve nascer?

Sentimento de comunidade, união e solidariedade. Muita gente precisou de ajuda durante a pandemia, e muitos se dispuseram a ajudar. Tomara que este ímpeto continue após esse período difícil.


-Num cenário utópico, como seria o futuro ideal?

Um mundo onde as pessoas pensam antes de comprar: Será que preciso disto? Como foi feito? Será que todo o processo deste produto é saudável para todos os envolvidos? E eu iria além: pensar antes de comer também. Parar de comer carne foi uma decisão que me abriu os olhos para o tanto de vezes que eu comia carne só porque não pensava em alternativas, e frequentemente nem gostava daquilo. Não acho que todos precisam ser veganos 100%, mas se cada um reduzir seu consumo e comer apenas quando é importante (um churrasco com os amigos em datas especiais, uma feijoada em família na casa da vó), já teremos um avanço enorme ecologicamente falando.


-E na realidade, como seria um futuro possível?

Fazer a nossa parte e mostrar que é possível. Quando eu comecei a recusar plásticos descartáveis isso mostrou para meus amigos que era uma decisão possível, e muitos já criaram esta consciência. Não vamos mudar o mundo do dia pra noite; temos que confiar no processo a passo de formiguinha.


-O que deve ser feito no nível individual, coletivo e estatal para consegui-lo?

Individual: tomar decisões e mudar pensando que é assim mesmo que uma (r)evolução começa, com uma pessoa.

Coletivo: podemos nos unir mais, olhar para o lado e perguntar o que podemos fazer para ajudar. O trabalho voluntário poderia fazer mais parte da vida das pessoas, porque é uma atividade energizante!

Estatal: políticas públicas focadas em desenvolvimento sustentável (atualmente chamado de regenerativo). O modelo onde pensamos que somos separados da natureza não nos serve mais, porque percebemos a falta que nos faz respirar ar puro, ter contato com plantas, animais e até outros seres humanos. As cidades precisam ser mais simbióticas com a natureza e o processo de como as coisas chegam até nós precisa de cuidado maior com a preservação. Se continuarmos derrubando árvores em nome do progresso vamos matar a nós mesmos.


-Qual pode ser o primeiro passo?

Parar de consumir sem pensar. Sempre que for comprar algo pensar de onde veio, quem fez, qual foi o caminho que isso percorreu até você e qual será a jornada caso você compre: vai ficar com você por quanto tempo? Depois que não te servir mais, o que acontece com isso? Vai virar adubo depois, ou vai gerar lixo? Tudo isso faz a gente consumir de forma mais responsável.


-Sua intenção: Quero que o futuro possível seja…

… tão otimista quanto os posts good vibes do instagram.


//

Quarentena é tema de websérie interativa transmídia Rio.com, que faz campanha de financiamento coletivo. Recompensas para apoiadores vão desde informações exclusivas sobre a produção até um making of das funções no formato de curso de cinema

Você se lembra do seu último dia antes da quarentena? A pergunta, que será feita por gerações, é a premissa da websérie interativa Rio.com. Em formato antológico com nove episódios, a produção narra o cotidiano de pessoas pela cidade do Rio de Janeiro com suas mais diferentes realidades em seu último momento de liberdade devido à pandemia de Covid-19.

Rio.com tem direção geral de Lucas Zomer e produção de Luisa Clasen (Lully). O casal embarca em seu primeiro projeto ficcional que está em fase de captação até 15 de agosto através do site de financiamento coletivo Catarse.


16 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page